Minha primeira 14 Bis

A 14 Bis é uma maratona aquática de 24 km que começa no Forte São João em Bertioga e termina na base aérea de Santos, percorrendo todo canal Santos/Bertioga. A prova tem duração de 4h1/2 para os mais rápidos (atletas) e pode ter até 10h para nadadores não-atletas.
Comecei o ano de 2018 alimentando a ideia de fazer esta prova no final do ano, ela sempre ocorre entre o mês de novembro e dezembro, mas ainda não tinha data definida, me inscrevi numa prova de 10km para o dia 1°de julho na represa de Mairiporã, a intenção de fazer esta prova é que seria um treino para a 14Bis, ver como me sentiria numa prova longa, mas não tanto, na questão física, psicológica e principalmente na questão de como meu corpo reagiria em temperatura baixa, aliás essa era a minha real preocupação, passar frio não é comigo. Eram duas voltas de 5km, era uma manhã fria, a água estava gelada, e não foi nada agradável, eu nadava, nadava e nadava e o corpo não acostumava com a temperatura da água, no final da primeira volta resolvi parar, sou um apaixonado pela água e pela natação mas quando vira sofrimento aí perde a graça. Me frustrei é claro e participar desta prova em pleno inverno me fez desistir da 14Bis. Continuei nadando como sempre faço, mas não focado, sem treinar para a prova, fiquei, então, três meses nadando pelo prazer que tenho em nadar, sem nenhum treino, metragens mais curtas, variando os nados, até que em uma conversa com meu irmão, no final de setembro, ele me cobrou a participação na 14Bis, em conversas anteriores tínhamos combinado participar da prova e ele seria o meu apoio, ele tem um caiaque e me acompanharia durante a prova para me orientar na navegação e me suprir com água e alimento. Nesta prova, por ser longa, cada nadador tem, obrigatoriamente, que ter um acompanhante, seja de barco, lancha ou caiaque. Então faltando apenas dois meses para a prova, ela foi marcada para o dia 1° de dezembro, resolvi encará-la. Mas como me preparar para uma travessia desta em apenas dois meses? Tinha que traçar uma estratégia a curto prazo que garantisse que conseguiria completar o percurso. A primeira coisa que tinha que colocar na minha cabeça era que não iria para competir, o meu objetivo seria o de chegar ao final, mas não a qualquer custo, deveria chegar ao final sem sofrer, chegar inteiro. Calculei, pelo que já nadava, que se eu nadasse num ritmo confortável completaria a prova em aproximadamente oito horas, ou seja, na média 3km por hora. Esse seria meu ritmo para ter certeza que completaria a prova sem “me matar”. Nas semanas que se seguiram aumentei consideravelmente o volume da minha natação e focando exclusivamente no nado crawl, pelo menos uma vez na semana eu nadava de 3 a 4 horas seguidas. O foco não era o condicionamento físico e sim o ritmo no qual eu deveria nadar na travessia. Me segurava para não aumentar o ritmo durante o nado pois sabia que em poucas horas eu conseguia nadar num ritmo mais forte mas em muitas horas isso poderia me quebrar. Mesmo nos dias que não tinha muito tempo para nadar, em que o volume era pouco, me concentrei em nadar sempre no mesmo ritmo para aprender a me controlar pensando sempre nos 24km. Isso deu tão certo que nos dias que nadava 4 horas sem parar, na verdade parava a cada 50 minutos, mais ou menos, para me hidratar, mas era coisa rápida, eu terminava de nadar me sentindo muito bem, estava inteiro, era gostoso nadar naquele ritmo, tranquilo, sem esforço, na verdade estava sendo muito prazeroso nadar daquele jeito. Não tinha noção de quanto estava nadando pois a piscina é de 20 metros e ficar contando durante 4 horas era muito massante, me concentrava no nado, na respiração, para que ela ficasse num ritmo confortável sem ofegar, a cada momento numa parte do nado, me certificando que não estava criando nenhuma tensão desnecessária que me levaria a um desgaste físico a longo prazo, me concentrava no prazer de estar flutuando e de estar me deslocando sem esforço. E assim as horas passavam sem a sensação de que eu estava fazendo algo penoso, e realmente não estava.
No dia da prova estávamos lá, não apenas eu e meu irmão mas, esposa, filho, cunhada, mãe, sogra, nós tínhamos uma torcida. A largada foi dada com um tiro de canhão, e partimos. Eu estava tranquilo e muito consciente do ritmo que deveria nadar, não me deixei levar pela empolgação dos demais nadadores que saíram no maior pique. Imaginei a prova como se fosse um dia que tirei para fazer uma trilha na montanha, sem pressa, passo a passo, curtindo a paisagem e cada momento. Quando parava de nadar para me hidratar e alimentar, me hidratava com água com rapadura e comia doce de banana (aquelas bananinhas), também era de forma descontraída, conversávamos, observamos ao redor e seguimos em frente, aliás, posso dizer que fiquei muito bem a prova toda com essa hidratação e esse único alimento.
Enfrentei a água fria no início da prova o que me deixou preocupado mas isso logo passou pois, na maior parte do percurso a água estava com temperatura agradável. Havia chovido muito nos dois dias anteriores por isso tinha folhas e pequenos galhos que de vez em quando esbarravam em mim, mas não foi nada de mais, sem sustos. Peguei momentos em que ventava muito e formava muitas marolas que batiam na minha cabeça como pequenos tapinhas e quando respirava sentia a água passar por cima do rosto o que me fazia respirar como se estivesse num pequeno tubo. Outros momentos haviam marolas grandes que faziam o corpo todo ondular, subindo e descendo num ritmo suave, acredito que era por conta da movimentação das lanchas quando passávamos perto das marinas.
Após três horas nadadas me sentia tão bem que me permiti aumentar o ritmo, comecei então a nadar num ritmo mais forte mas ao mesmo tempo observando a respiração para manter o ritmo sempre dentro do aeróbio, no limiar. E assim fui o resto da prova, aos poucos ia alcançando uns e outros que largaram na minha frente.
Finalmente cheguei na ponte, ela é o ponto de referência que indica que faltam aproximadamente apenas 3km para a chegada, no máximo só mais uma hora, pensei, mas foi menos, pois quando menos imaginei já estava a poucos metros da chegada. E lá estava toda nossa torcida familiar nós esperando, fazendo a maior festa. Foram exatamente 8 horas e 22 segundos, -uauu, como o previsto! Saí da prova muito bem, poderia até continuar se fosse o caso. Foi a melhor prova de águas abertas que fiz até agora. Curti cada momento, cada variação do canal, nadei fácil, sem estresse, e o mais importante é que não apenas tive prazer em completar a prova mas, muito mais que isso, tive prazer em nadar durante as 8 horas que durou a minha travessia. Que esta seja apenas a primeira de muitas 14Bis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores